Samurai Warriors 5 | Review

Samurai Warriors 5 é um jogo de ação no bom e velho estillo musou, desenvolvido e distribuído pela Koei Tecmo. Pensado como uma repaginação do primeiro título da série, ele conta a jornada de Nobunaga Oda em sua ambiciosa busca pela unificação de um Japão feudal envolvido em disputas políticas e guerras. Mais do que um simples repeteco, o jogo conta com uma série de melhorias e avanços na fórmula.

Será que esse vai ser mais um dos meus (vários) musous queridos? É o que veremos agora, nessa análise antecipada do Pizza Fria!

O polêmico Nobunaga

Um dos personagens históricos mais conflitantes em suas representações, ao menos dos que já vi até hoje, é Nobunaga Oda. Conhecido como um dos primeiros unificadores do Japão na era Sengoku, ele foi um homem conhecido por sua ambição e métodos não ortodoxos e brutais de combate e estratégia de guerra. Ele foi responsável, dentre outras coisas, por mudar a forma que os combates eram travados à época, fazendo um maior uso de rifles por exemplo, e por ter ordenado a queima e massacre dos habitantes do tempo de Hiei, um de seus oponentes na guerra pela unificação.

Usualmente, o vemos como um vilão em diversos jogos e histórias. Onimusha, por exemplo, o tem como um rei demônio que faz pactos com entidades extra planares para conseguir poder ilimitado. Ou um homem ambicioso e cruel, que não tem limites ou moral na busca daquilo que deseja. Em meu conhecimento, essa é uma das representações mais neutras, e talvez heroicas, que já vi.

Samurai Warriors 5 reconta a história do primeiro jogo, que trata dos embates de conquista travados por Nobunaga desde sua ascensão até sua morte no cerco de Honnō-ji. Além disso, explora mais a dinâmica entre ele e Mitsuhide Akechi, um de seus generais e protagonistas da história. O mesmo que, historicamente, o trai e leva a cometer seppuku.

Samurai Warriors 5
Se estiver escrito nos livros de história conta como spoiler? (Imagem: Divulgação)

Contudo, Samurai Warriors 5 não segue a história à risca, permitindo certa liberdade criativa entre cenários e acontecimentos para fornecer uma experiência de jogo melhor e com mais oportunidades. Por exemplo, nada que li sobre Nobunaga até hoje citava que ele possuía o poder de lançar ondas de fogo com as mãos, nem que sua espada cortava o vento. Na verdade, o consenso é que ela gerava pequenas fendas no espaço-tempo e soltava raios.

A trama segue a jornada de Nobunaga através de todas as batalhas mais importantes de sua campanha de conquista, mostrando como fez e destruiu alianças, clãs e obteve seus aliados. É interessante que certos mapas e condições de vitória seguem, à grosso modo, o que se sabe das batalhas reais que representam. Isso é um detalhe pequeno, mas é legal para ajudar na representação do período e suas particularidades.

A segunda parte da história é contada, em paralelo, seguindo Mitsuhide Akechi. Conhecido por ser o motivador do seppuku de Nobunaga, ele serve como um segundo ponto de vista dos acontecimentos e uma ferramenta para aprofundar a história. É uma dinâmica legal, e ajuda na diversidade narrativa que mantém Samurai Warriors 5 interessante de se acompanhar ao longo de toda sua duração.

Samurai Warriors 5
Igual aos livros de história. (Imagem: Divulgação)

Sobre o bom e velho musou

Veja bem, leitor, sou um homem sábio. Evito ao máximo a fadiga, e sei reaproveitar conteúdo de qualidade. E sou muito humilde, como sabia? De qualquer modo, irei repetir aqui a explicação que dei na época que fiz a análise do totalmente excelente Persona 5 Strikers, outro musou de qualidade. Vejam e aprendam como se faz.

Mas o que seria esse musou de que tanto falo? Esse estilo ficou famoso pelos jogos da série Dinasty Warriors, ao que sei, e se baseia em um personagem forte controlado pelo jogador que é colocado em mapas semi-abertos, mas pequenos, para enfrentar exércitos enormes. Nesses jogos não é incomum se derrotar 1000 inimigos em uma missão de vinte minutos, e grande parte da diversão vem da repetição e da sensação de poder que vem de ser uma máquina de destruição e aniquilação total. Até você enfrentar algum general inimigo ou jogar em dificuldades mais altas, e ver que era tudo um doce sonho de verão. Clássico choque de realidade.

JENEVAIN, Matheus (2021)

Repare como, inclusive, usei até as formatações de citação. Realmente a coisa é diferenciada. Bom, em frente meu agora mais sábio leitor! Samurai Warriors 5 é um musou de peso, que faz algumas adições boas à formula e ajuda a refinar o gênero como um todo. Ele tem algumas mecânicas diferentes, inclusive, que ajudam a combater a sensação de repetição que é comum ao estilo de jogo.

O combate é o que se espera, contando com uma quantidade enorme de inimigos fracos e oficiais que se comportam como chefes. A luta é desenvolvida, em boa parte, através da combinação de golpes fortes e fracos para formar combos com efeitos e alcances diferentes. Além disso, cada personagem conta com habilidades específicas, e outras gerais, que podem ser adquiridas ao subir de nível.

Samurai Warriors 5
Exemplos de inimigos que são derrotados aos milhares. (Imagem: Divulgação)

Cada personagem conta com árvores de habilidades próprias, além de especializações em armas diversas. Todos podem fazer uso dos diferentes tipos de equipamento, mas cada um possui um que é mais forte que os demais. Isso é bom porque não penaliza o jogador por querer experimentar, mas também incentiva a usar cada personagem de maneira diferente.

Fora isso, Samurai Warriors 5 conta com um modo de missões abertas, feitas em separado da história principal. Elas permitem coletar equipamentos e materiais para melhoria de seções como vendedores e dojo de seu castelo, fornecendo seleções melhores de itens para compra e mais maneiras de evoluir e fortalecer seus oficiais. Ainda que não seja obrigatório para a trama principal, esse modo funciona como um bom passatempo e forma de juntar níveis e proficiência com as diversas armas que contamos.

O único ponto mais repetitivo disso tudo é referente às missões em si. Ainda que contem com objetivos específicos e adicionais, variando em cada uma, os mapas são reaproveitados muitas das vezes. É algo comum aos musous, de fato, mas digno de nota por causar um certo cansaço ao notar que está visitando a mesma campina pela milésima vez.

Samurai Warriors 5
O modo My Castle é um ótimo passatempo. (Imagem: Divulgação)

Sons e Visuais

Samurai Warriors 5 conta com visuais realmente impressionantes, em um estilo puxado para o cell shading muito agradável aos olhos. Todas as lutas e animações tem um ar artístico, com algumas lembrando pinturas e outras formas de artes tradicionais japonesas. Os designs dos oficiais principais são bem diferenciados, e ajudam na caracterização de cada um. Nobunaga, por exemplo, tem um design que representa de maneira exata sua natureza impulsiva e explosiva.

Os mapas são bem feitos, ainda que básicos. Não há tanta variedade em formatos e tamanhos, mas são o suficiente como arena de combate. Mais digno de nota, ainda, é que o conjunto visual funciona de forma macia e suave mesmo quando a ação fica mais intensa. Certos golpes e poderes mais elaborados soltam diversos efeitos, e não reparei uma queda de frames sequer. É bom quando a fidelidade visual e a performance andam de mãos dadas.

Os sons, aqui, caem dentro do padrão esperado para jogos do estilo. As vozes combinam bem com os personagens, e ajudam a pontuar os momentos de maior intensidade das lutas e cenas da história. A trilha sonora é dentro do esperado para o gênero, com músicas rápidas que ajudam muito à manter o clima de ação rolando bem. Não há nada memorável, mas funciona bem.

Samurai Warriors 5
Dá até um bom papel de parede, não é mesmo? (Imagem: Divulgação)

Vale a pena comprar Samurai Warriors 5?

Samurai Warriors 5 é um musou de qualidade, além de uma ótima repaginação do primeiro jogo da série. A trama retrata, ainda que de forma fantasiosa, um período complexo da história japonesa e é contada de uma forma que intriga e compele o jogador à ver o que vai acontecer ao longo dela. Além disso, os personagens são bem feitos e dão um peso bom para a obra como um todo.

O gameplay é divertido e viciante, ainda que por definição musous tenham uma perigo maior de se tornarem repetitivos. Contudo, o modo My Castle, as diferentes armas, oficiais e missões mitigam muito esse risco. Garantindo que, na maioria do tempo, a experiência seja variada e agradável o suficiente para te manter jogando por um bom tempo.

Os gráficos são bonitos, o jogo roda liso e explosões e inimigos para todos os lados não fizeram travam e nem explodiram meu PS4. Excelente! As vozes são boas, combinam com os oficiais e ajudam na caracterização. A música também é legal, mas não tem nenhuma trilha que vá se prender na minha cabeça. Mas, resolve o que precisa. Em suma, Samurai Warriors 5 vai entrar para minha lista de queridinhos do gênero. Se curtir jogos musou, ou ação em geral, não vai se arrepender. Recomendo fortemente.

Samurai Warriors 5 chega nesta terça, 27, para PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch e PC, via Steam.

*Review elaborada em um PlayStation 4 padrão, com código fornecido pela Koei Tecmo.

Samurai Warriors 5

8.8

História

8.5/10

Gráficos e sons

8.5/10

Jogabilidade

9.0/10

Extras

9.0/10

Prós

  • Jogabilidade viciante
  • Gráficos lindos
  • Modos diferentes aumentam a vida útil do jogo
  • Boa variedade de armas e personagens

Contras

  • Mapas repetem demais
  • Trilha sonora não muito marcante