Lost Ark: como o game superou o problemático lançamento

Lost Ark à essa altura do campeonato, é um jogo que todo mundo já ouviu falar. Ddesenvolvido pela Smilegate e publicado no ocidente pela Amazon Games, vem chamando a atenção por diversos fatores, mas principalmente pelo alto investimento em marketing no jogo. Acredito que qualquer pessoa que frequente veículos de mídia sobre videogames tenha vista algum anúncio, uma análise ou uma reportagem sobre o jogo. A Amazon, já se mostrou um estúdio que sabe como criar hype em seus lançamentos, como já fez no próprio New World, jogo que foi muito antecipado, porém mal recebido pelo público. E será que a Amazon Games aprendeu com seus erros, ou não?

Antes de começarmos a falar do processo de lançamento do jogo no Brasil, nós fizemos uma review completa, ainda antes do lançamento, contando o que achamos do universo de Arkesia. Para ler, basta clicar aqui!

O começo de tudo

Lost Ark é um jogo que está no radar dos amantes de MMORPG’s (como eu) desde 2013, com o anúncio oficial do jogo. Um dos principais motivos dessa empolgação inicial era a promessa de misturar os gêneros de MMORPG com o gênero de ARPG, conhecido também como Diablo-like. O jogo, porém, ficou em um “limbo” por vários anos, soltando algumas poucas informações ao longo do tempo, até que é chegado seu lançamento em 2018 na Coreia do Sul.

E é aqui que mais um hype foi criado em cima do jogo. Na Coreia, Lost Ark bateu diversos recordes de audiência e de jogadores, porém por se tratar de um servidor localizado na Ásia, isso impossibilitou que outras pessoas pudessem ter acesso ao título. Com o passar dos anos, a Smilegate, desenvolvedora do jogo, trouxe servidores localizados na Rússia e no Japão, mas seguíamos sem opções para o ocidente.

Com isso, o público ocidental pôde somente observar Lost Ark de longe, e criar expectativas de jogá-lo. Eis que em 2020, a Amazon Game Studios anunciou uma compra dos direitos de publicação de um jogo da Smilegate, e o público obviamente juntou as pontas e chegou na conclusão que esse jogo era o tão aguardado Lost Ark, entretanto vários meses se passaram e nenhuma notícia extra surgiu sobre essa compra.

Por fim, durante o Summer Games Fest de 2021, a Amazon, enfim, anunciou oficialmente que Lost Ark chegaria ao ocidente com servidores para a América do Norte e Europa, com uma previsão de lançamento para o outono americano, que se passa entre setembro e dezembro. Porém, logo após o anúncio, veio o choque de realidade: com a confirmação de que o jogo seria disponibilizado somente nas lojas locais da Steam, ou seja se alguém quisesse da América do Sul, Oceania ou África quisesse jogar o Lost Ark, teria que criar uma conta na Steam Americana ou Europeia.

Nem tudo são flores…

Entretanto a Valve, atual dona da Steam, ja tinha se pronunciado sobre o fato de pessoas criarem contas em países diferentes para aproveitar de preços locais menores para comprar jogos. Para quem não entendeu, era muito comum pessoas criarem contas da Steam em países com a moeda desvalorizada, como Turquia e Argentina, para economizar na compra de jogos. A Valve já tinha se mostrado bastante contrária à essa prática e toda essa novela englobava o lançamento do Lost Ark que, apesar de ser um jogo gratuito, ainda entra nessa restrição da Valve.

Após toda essa polêmica, diversos abaixo-assinados surgiram na internet, praticamente implorando servidores nos países que ficaram de fora, e muitos jogadores estavam dispostos a jogar com uma alta latência no servidor Americano e só pediam o fim do bloqueio de IP do jogo. Com o passar dos meses e a intensa mobilização na internet, em novembro de 2021 a Amazon e a Smilegate entraram novamente em negociação e em uma velocidade surpreendente, a desenvolvedora do jogo disponibilizou os direitos de publicação para mais de 30 novos países, incluindo a América do Sul inteira, boa parte da Oceania e diversos países da Europa, incluindo servidores locais em vários desses novos países.

Então os fãs de MMORPG’s de boa parte do mundo voltaram a sorrir, ainda mais com o anúncio oficial da data de lançamento do Lost Ark para fevereiro de 2022, e uma beta fechada para o final de 2021.

Lost Ark
Tabela que demonstra os servidores e acessos do jogo. (Imagem: playlostark.com)

Finalmente é chegado o lançamento !

Depois de longos meses de hype, chegou a o tão aguardado lançamento global do Lost Ark em fevereiro de 2022, porém durante esses meses de espera a Amazon Games colocou à venda alguns pacotes de fundador para os jogadores, pacotes esses que davam diversas recompensas para os apoiadores do projeto, mas principal delas era o acesso antecipado do jogo, visto que o lançamento oficial para todo o público seria em 11 de fevereiro com o jogo gratuito.

Já falei acima que nem tudo são flores e esses pacotes foram disponibilizados em todas as regiões, sem a regionalização das moedas, ou seja com a cotação atual do dólar na moeda local. Podemos dizer, então, que Lost Ark teve duas datas de lançamento no ocidente: dia 8 de fevereiro para aqueles que compraram os pacotes de fundador, e dia 11 de fevereiro com o lançamento oficial do jogo.

Com a chegada do acesso antecipado no dia 8 de fevereiro, Lost Ark já bateu alguns números surpreendentes de jogadores, atingido um pico total de mais de 530 mil jogadores simultâneos, gerando diversas filas para entrar no jogo, e obrigando a Amazon a abrir mais servidores tanto na Europa quanto na América do Norte. Esse tumulto inicial no acesso antecipado do jogo não atingiu os servidores da América do Sul, o que era de se esperar dado o valor total dos pacotes que davam esse acesso para o salário médio do público sul americano.

E para gerar ainda mais ansiedade e empolgação em cima do jogo a Amazon Games criou um evento chamado Legends of Lost Ark, evento esse que reuniu 60 streamers do mundo inteiro e que trabalham na plataforma Twitch (que também é da Amazon), para uma espécie de competição entre as regiões. Esses 60 streamers foram divididos em 3 times para representar cada um dos servidores do jogo, times esses que são: Elgasia (Europa), Petrania (América Latina) e Arkesia (América do Norte).

Essa competição funcionou da seguinte forma, cada streamer tinha consigo uma tabela de desafios a serem completados, cada desafio desse gerava pontos para as equipes envolvidas. E ao atingir determinadas quantidades de pontos os streamers desbloqueavam itens e pacotes de fundadores para os seus respectivos públicos, itens esses que iam desde a cosméticos simples, mascotes, montarias e muito mais. Esse evento começou a valer desde o acesso antecipado do jogo no dia 8 de fevereiro, e obviamente foi uma jogada de mestre da Amazon Games para gerar cada vez mais engajamento com o jogo, e gerar ainda mais anseio do público para o acesso gratuito no dia 11 de fevereiro.

Lost Ark lançamento
Lista com todos os Streamers envolvidos no evento Legends of Lost Ark (Imagem: Reprodução)

Após longos três dias de espera, chegou o tão esperado dia 11 de fevereiro, o tão aguardado lançamento oficial do Lost Ark no oeste. E para se preparar para esse lançamento a Amazon Games decidiu fechar os servidores algumas horas antes do lançamento que aconteceu às 14h no Brasil. Entretanto, minutos antes da abertura do servidor, veio o anúncio de um adiamento por questões técnicas. E público obviamente enfurecido, foi às redes sociais reclamar e tirar sarro da situação, pois só assim para segurar a ansiedade de jogar o jogo. Então após um atraso de quase seis horas, os servidores foram liberados para o público.

E no meio de filas imensas em todas as regiões, dificuldades para abrir o jogo, para descompactar os arquivos e baixar o jogo, muitos jogadores que estavam jogando antecipadamente relataram que seus personagens haviam sido deletados e obviamente os jogadores que viraram madrugadas, faltaram às aulas e trabalho para upar entraram em desespero (eu incluso), e novamente a Amazon veio a público anunciar novamente o fechamento dos servidores para resolver esse problema. E a abertura do jogo novamente é adiada por mais algumas horas.

Com esse novo adiamento, a Amazon disponibilizou vários servidores adicionais em todas as regiões, com os servidores da América do Sul passando de apenas dois, para nove no total justamente para suportar todos os interessados por Lost Ark. E todos esses servidores novos, foram justificados pelos números absurdos de jogadores que deram uma chance para o jogo, chegando um pico de 1,325 milhões de jogadores ativos simultaneamente, se tornando o segundo maior lançamento da história da Steam, ficando atrás somente do fenômeno que foi o PUBG.

Lost Ark lançamento
Tabela que compara os 10 maiores picos de jogadores da história da Steam (Imagem: steamdb.info)

Esses números absurdos obviamente geraram gigantescas filas para entrar no jogo, mas a região da América do Sul foi a menos afetada por isso, visto que os servidores Norte Americanos e Europeus estiveram com problemas seríssimos de filas, obrigando a Amazon a criar uma nova região diferente da Europa Central. Entretanto, problemas com filas e falta de servidores são problemas muito comuns em lançamentos, principalmente de MMORPG’s, era esperado problemas como esse nos primeiros dias, porém não foram só esses os problemas que assolaram o lançamento do Lost Ark.

Durante os primeiros dias de vida do jogo, alguns jogadores relataram um bug de duplicar itens no jogo, mas não qualquer item, foram duplicados os itens exclusivos de fundadores do jogo. E com isso diversos jogadores aprenderam a como replicar esse bug e começaram a vender as skins exclusivas, tanto no mercado do jogo, quanto na vida real.

Todo esse problema gerou uma grande preocupação da comunidade em relação ao futuro, visto que um problema dessas poderia afetar drasticamente a economia dos servidores e desvalorizar os itens comprados antecipadamente. E toda essa preocupação foi totalmente válida dado o histórico da Amazon Games com o seu jogo anterior New World, que sofreu com diversos bugs e exploits que destruíram a economia de diversos servidores.

Os problemas de duplicar itens afetaram apenas 4% dos jogadores, de acordo com a própria Amazon. Alguns dias após esse tumulto inicial, a distribuidora anunciou que o problema estava resolvido e que eles estavam trabalhando com a Smilegate para rastrear os itens clonados e deletá-los, juntamente como todo o ouro dentro do jogo gerado. E para amenizar a raiva dos jogadores que derrubaram a nota do jogo na Steam, a Amazon Games decidiu disponibilizar um segundo pacote de fundador para aqueles que compraram, para ser utilizado em outro servidor, visto que o pacote de fundador estava atrelado ao primeiro servidor jogado.

Lost Ark Lançamento
Gráfico que demonstra o número de jogadores e o número de pessoas assistindo o jogo na Twitch, sendo o “Rel” o momento do lançamento do jogo (Imagem: steamdb.info)

Lost Ark com certeza passou por alguns empecilhos para lançar oficialmente, mas já não nos resta dúvidas de que o jogo é um sucesso inacreditável, visto que é o maior lançamento de um MMORPG da história da Steam. Trata-se de um excelente jogo, e somado ao fato de ser gratuito é um título obrigatório para qualquer amante de video games testar com os amigos esse ano. Entretanto é bom destacar que Lost Ark é, ainda sim um MMORPG coreano e muitas das práticas de jogos asiáticos estão presentes aqui, como lootboxes, boosts de experiência e etc. Mas honestamente nada que atrapalha a diversão com seus amigos!

Sobre Lost Ark

No título, os jogadores deverão explorar o mundo vasto e diverso de Arkesia em suas missões de encontrar as lendárias Lost Arks e salvar o reino de uma ameaça demoníaca. O game conta com 15 classes distintas, com combinações únicas de habilidades, utilizando o sistema Tripod, que permite que os jogadores selecionem e melhorem as características de uma habilidade de combate ao atingirem um certo nível. Os jogadores irão forjar suas próprias odisseia, sozinhos ou em grupo, enquanto lutam por calabouços perigosos, velejam pelos mares, e até criam suas próprias casas.

Matheus Feldmann

22 anos, estudante de Jogos Digitais, preservador de jogos antigos, amante de jogos em geral, desde os mais competitivos quanto os mais focados em narrativa. Viciado em MMORPGS, fã de Dark Souls e entusiasta de jogos de luta.