Octopath Traveler | Review

Octopath Traveler é um jogo de RPG japonês, lançado originalmente em julho de 2018, com exclusividade para o console híbrido, Nintendo Switch. O game desenvolvido e publicado pela Square Enix, responsável por franquias como Final Fantasy, Dragon Quest, e inúmeras outras, fez um grande sucesso, inovando com seus belíssimos gráficos extremamente bem detalhados em 2.5D, e entregando uma história envolvente, com personagens cativantes.

Eis que, finalmente, após 6 longos anos de seu lançamento original, o game, que já havia sido lançado em 2019 para PC, via Steam, e vendeu mais de 3 milhões de exemplares em todo o mundo até setembro de 2022, chega para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, e Xbox Series X|S, inclusive com disponibilidade no Xbox Game Pass.

Mas e aí, ficou curioso para saber como essa obra de arte com visuais em pixel art retro e 3D ficou no console mais poderoso da atual geração? Pois já sabe o que fazer né? Aproveite o friozinho, dê uma pausa aí e busque aquele coado quentinho para aquecer o coração, aproveita para pegar aquela quatro queijos de ontem na geladeira, e vem conferir comigo nessa análise épica, do Pizza Fria!

Oito mundos diferentes

Octopath Traveler conta sua história de uma maneira diferente. Aqui, não existe um personagem principal em sua jornada, ao invés disso, o game apresenta oito personagens, cada um com sua própria história em que algum momento do game, seus caminhos acabam se encontrando. Vamos, então, para o continente de Osterra conhecer nossos oito personagens.

A jovem Ophilia perdeu sua família durante a guerra, e foi adotada pelo arcebispo Josef da ordem da Chama Sagrada. Sua história inicia em meio aos preparativos do grande ritual, que transformaria sua irmã, Lianna, na nova guardiã da chama, porém, durante os preparativos, o arcebispo adoece, deixando as meninas preocupadas. E assim, a jovem decide realizar o ritual no lugar de sua irmã, entrando na caverna da origem para buscar a chama sagrada. Após o feito, Josef explica a Ophilia que seu dever é espalhar a luz da chama sagrada por Osterra, e é com essa missão, que a garota inicia sua jornada.

H’aanit, quando seu mestre, Z’aanta, partiu para uma missão de caçador, foi ela quem ficou na vila, para assegurar que os habitantes estariam em segurança. Ao longo de um ano, a caçadora concluiu diversas tarefas da vila e se tornou uma exímia caçadora, mas não teve muitas notícias de seu mestre. Quando surge uma caçada importante, ela é convocada para essa tarefa e parte para missão. Ao retornar é recebida pelo fiel lobo de seu mestre, Hagen, assustado e amedrontado. Somente um pensamento veio à H’aanit, “O mestre está em perigo!”, sem pensar em mais nada, a caçadora parte motivada a salvar Z’aanta.

No mundo de Octopath Traveler o grande guerreiro Olberic, é particularmente meu personagem inicial preferido, era um grande guerreiro, um cavaleiro orgulhoso, que perdeu o rei e o reino em um golpe sangrento. Atualmente, atua como mestre de armas em uma vila remota nas montanhas, até que certo dia, ouve um nome do passado, e encontrando um novo propósito em sua vida.

Octopath Traveler
Cada um dos oito personagens de Octopath Traveler contam com sua própria motivação, porém, seus caminhos se cruzam ao longo da jornada. (Imagem: Reprodução)

Cyrus é um grande estudioso, apaixonado por conhecimento, leciona na academia real de Atlasdam. Ele é um homem bastante informado, e possui acesso a uma importante seção da Biblioteca real para assim realizar suas pesquisas. Contudo, para sua surpresa, percebe que um importante livro que ele estava buscando, havia sumido da biblioteca, e por isso e por esse motivo, o curioso investigador, parte em uma jornada em busca do livro perdido.

Therion é o famoso ladrão com um passado misterioso, meros sussurros de seus assaltos extravagantes causam medo nos corações dos ricos. Enquanto vagava pelas terras rochosas de Cliftlands, ouviu um boato sobre grandes riquezas, e fica de olho em uma mansão considerada inexpugnável, apenas para encontrar o inesperado.

A mercadora Tressa abastece as prateleiras da loja de seus pais, em sua pacata cidade natal. No entanto, muitas vezes se pega, olhando para o mar, e sente que precisa de algo a mais em sua vida. Até que um dia, um navio desconhecido lança âncoras nas docas do porto, mudando para sempre sua vida. 

Primrose, filha da orgulhosa da casa Azelhart, esconde ao máximo sua identidade. A bela dançarina exerce seu ofício em um distrito de Sunshade, um local misterioso e envolto a trevas, e busca por vingança, pela morte de seu pai.

E por fim, o apotecário Alfyn, que trata os feridos e doentes em um pequeno vilarejo entre os riachos das terras fluviais. Muito doente quando garoto, foi salvo por um viajante que não pediu nada em troca. Motivado a seguir os passos de seu salvador, embora exite em deixar o único lar que conhece, é convencido pelo seu melhor amigo a seguir seu sonho.

Habilidades para todas as horas

Em Octopath Traveler, cada um dos oito personagens possui habilidades de interação únicas. Ophilia, por exemplo, usa a habilidade Guide, e convida qualquer NPC do mapa a segui-la, podendo convocar esse personagem a lutar durante as batalhas. É importante ressaltar que cada um desses personagens não jogáveis, tem um level necessário para ser guiado, quanto mais forte fica a garota, mais chances você terá de conseguir o novo seguidor.

A habilidade de H’aanit é o Provoke, que chama um NPC para um duelar. Durante esse tipo de batalha, H’aanit só pode usar seu pet, Linde, ou outro monstro capturado para derrotar o oponente, sim, ela é tipo uma mestra Pokémon, e é capaz de capturar criaturas que enfrentamos pelo mapa. Ah, e assim como no jogo dos monstrinhos de bolso, enfraquecer os inimigos aumenta a chance de capturá-los.

Cyrus, possui a habilidade Scrutinize, onde interroga os habitantes dos vilarejos, a fim de obter informações. Em batalha, o estudioso usa seus conhecimentos para descobrir uma fraqueza do inimigo. Já o apotecário, Alfyn, possui a habilidade Inquire, semelhante a de Cyrus, e usa toda sua simpatia para conversar com as pessoas em busca de alguma informação. Em batalha, o jovem consegue fazer poções de cura e substâncias destrutivas para inimigos utilizando ingredientes que conseguimos na jornada.

Octopath Traveler
Muitas vezes os personagens guiados por Ophilia são bem fortes, e podem possuir foco em ataque físico ou mágico. (Imagem: Reprodução)

Tressa, como uma boa mercadora, possui a habilidade Purchase, e consegue negociar equipamentos e itens por um preço justo. A mercadora também pode coletar dinheiro extra, deixado ao fim das batalhas. A dançarina Primrose, possui a habilidade Allure, que se assemelha com a Guide de Ophilia, e encanta com seu charme, podendo invocar essa pessoa, durante a batalha.

Por fim, o ladrão, Therion tem o mesmo faro para itens que Tressa, porém, com a Steal, nosso amigo utiliza suas ágeis habilidades para roubar itens das pessoas, essa habilidade só pode ser utilizada em pessoas com menor nível que o seu, além disso, o ladrão é especialista em arrombar baús espalhados pelo mapa, porém, não possui habilidades especiais em batalha.

Um RPG nada convencional

Octopath Traveler é um game em pixel-art com gráficos 2.5D, em alta definição, visto em perspectiva isométrica, e além da jogabilidade básica nos mapas, o game se destaca nas batalhas, onde temos diversas mecânicas diferentes. Os encontros de batalhas são feitos de forma aleatória nos mapas, o que remete aos JRPGs mais antigos, o que me deixou um pouco irritado, afinal, você só quer passar por determinado caminho e você tem que lutar no mínimo umas 5 ou 6 vezes.

Além de termos as habilidades únicas de cada personagem, já comentadas antes, em Octopath Traveler, podemos atacar com diversos tipos de armas, que irão de, machados a arcos, espadas e lanças, cajados, além de podermos utilizar magias de ataque e defesa em diferentes tipos de elementos, tendo inclusive, alguns personagens utilizando mais de um tipo de arma ao mesmo tempo.

A batalha funciona da seguinte maneira, cada inimigo tem suas fraquezas, que podem ser apenas uma, ou várias fraquezas, e a cada dano recebido de sua fraqueza, um escudo se quebra em um contador, que quando reduzindo a zero os escudos, o inimigo fica impossibilitado de realizar ação por 2 turnos. Essa mecânica se chama Break, e faz com que cada batalha seja única em estratégia de combate.

Octopath Traveler
Aquele escudinho em baixo do inimigo, representa o número de vezes que você terá que atacar para quebrar a defesa do inimigo. (Imagem: Reprodução)

Outro ponto interessante, são os Boost Powers, ou BPs, são pontos de fortalecimentos que ganhamos ao fim de cada turno, com esses pontos podemos atacar mais de uma vez, ou aumentar o poder de uma habilidade, em até 3 vezes. Juntando todas essas mecânicas temos várias estratégias de grupo, enfraquecimento e ataque.

Desempenho e audiovisual no console mais poderoso da Sony

O desempenho de Octopath Traveler no Playstation 5 beira a perfeição, o game roda extremamente rápido, praticamente sem telas de carregamento, e durante a minha jornada por Ostera, não tive problema algum com bugs, travamentos ou gargalos. Quanto aos gráfico, tudo aqui é feito em Pixel-Art, com uma paleta de cores muito bem definida, e personagens que se destacam em meio a diversos detalhes dos cenários e seus planos, um chamativo aos entusiastas e fãs dos antigos games, sem dúvidas, o game esbanja um charme único.

E para arrematar a obra, tanto a dublagem dos personagens, quanto a sonorização e a trilha de Octopath Traveler estão maravilhosas, e completam a imersão de nossa jogatina, com a Square Enix tendo pisado na bola apenas na questão localização. Pois é, meus amigos, infelizmente temos mais um game que sequer possui legendas em português do Brasil.

Octopath Traveler
Tudo em Octopath Traveler é lindo, e os personagens se destacam em meio a diversos detalhes nos planos dos cenários. (imagem: Reprodução)

Vale a pena comprar Octopath Traveler?

Octopath Traveler é um RPG grandioso, ambicioso, com um história densa, e jogabilidade diferenciada, por isso, sem dúvidas, vale sim a pena ser apreciado. Sendo assim, apesar do tempo de carregamento reduzido, o relançamento não entregou nenhuma outra grande novidade, exceto à disponibilidade em novas plataformas. O game continua sem localização em português, mas ainda assim é uma excelente pedida aos fãs do gênero, e caso ainda não tenha jogado no Nintendo Switch ou PC, aproveite.

No entanto, o título está sendo vendido a preço cheio no PlayStation 5. Eu recomendaria uma promoção se você não estiver com pressa para jogar, até porque se trata de um jogo antigo. Por outro lado, os assinantes do Xbox Game Pass podem conferir o título sem custo adicional, tanto nos consoles, quanto no PC. Há ainda um bundle disponível, contendo também Octopath Traveler II.

*Review elaborada em um PlayStation 5, com código fornecido pela Square Enix.

Octopath Traveler

+ R$ 227,00
8.5

História

9.5/10

Gameplay

8.5/10

Audiovisual

10.0/10

Extras

6.0/10

Prós

  • Gráficos e estilo visual
  • História envolvente e personagens cativantes
  • Mecânicas de combate
  • Desempenho no PlayStation 5
  • Trilha Sonora

Contras

  • Ausência de localização para o português do Brasil
  • Nenhum conteúdo extra

Filipe "Bdama" Villela

Aficionado por jogos desde cedo, de Bomberman, Zelda, Sonic ou Mário, indo dos clássicos das gerações passadas, até os indies e mais variados AAA atuais. Viciado em desafios, colecionador de platinas e consoles antigos, para mim não importa a plataforma ou gráficos de um jogo, sou movido pela emoção da aventura de conhecer e desbravar novos mundos, uma viagem única que apenas cartuchos e cd's podem nos levar. Embarque comigo nesse mundo de possibilidades infinitas e venha descobrir novos mundos e maneiras de se aventurar!