Gleamlight | Review

Gleamlight é um jogo de ação em side-scroling, desenvolvido pela DICO, empresa responsável também por Eagletalon vs. Horde Of The Flies e publicado pela D3Publisher, responsável por jogos como Disease Hiden Object e Bullet Girls Phantasia.

O game foi lançado dia 20 de agosto de 2020 para Nintendo Switch, PlayStation 4, Xbox One e PC, via Steam. E traz consigo, a premissa de apresentar um jogo diferente e inovador. Uma aventura muda, onde tudo é visual e não existem letreiros e nem mesmo interface de usuário. E será que essa missão foi bem desenvolvida? Acompanhe comigo em mais uma análise no Pizza Fria!

Um colorido mundo de vidro

Logo no início de Gleamlight, você se depara com um universo frágil, porém belo, em um mundo de vidro. O jogo não tem a história contada da através de falas e manuscritos, não possui diálogos e nem mesmo uma interface com um compêndio contando a história, tudo aqui é bastante visual.

Inicialmente, me lembrou muito o universo sombrio de Hollow Knight, mas o pouco que sabemos da história aqui é vista e interpretada pelo jogador e a única parte escrita está na memória da espada.

Gleamlight
Nosso protagonista simplesmente empunha uma espada, desfere um golpe contra si, e a aventura começa (Imagem: Reprodução)

A jogabilidade típica de um metroidvania.

Inicialmente nosso personagem apenas ataca e pula, comandos simples, que são suficientes até certa parte do jogo. Novos poderes que serão usados para transpor barreiras até então intransponíveis, serão adquiridos ao derrotar chefes e progredir na aventura.

Em Gleamlight, não temos nem mesmo uma barra de vida e ao tomar dano, o brilho de nosso personagem diminui. Atacar o inimigo o faz recuperar esse brilho. É como se fosse um Sonic que ao pegar uma argola sua vida está garantida, mas nesse caso mais fácil já que apenas atacando sua energia volta.

Gleamlight
O jogo em si é escuro e nosso protagonista ilumina todo local (Imagem: Reprodução)

Os comandos em alguns momentos deixam a desejar e apesar das lutas contra os chefes em geral serem bem fáceis, em alguns momentos os comandos se mostram falhos e lentos. Não é nada que estrague a experiência do jogo, mas que poderia ser melhorado.

Um brilho entre as trevas

O gráfico de Gleamlight são bons. O jogo é escuro, mas é parte da sua temática, ressaltando a luz, proveniente talvez da vida que emana do personagem e dos inimigos.

Como citado acima, a luz tem a função de mostrar ao jogador a energia do personagem e dos inimigos, o que torna o gráfico uma mescla de escuridão e cores, que se mistura com os barulhos de vidros se quebrando quando sofrem danos, o que acaba gerando uma imersão interessante para um jogo simples. A música ao fundo não é nada que se destaque, porém é linda e acompanha bem o gameplay.

Gleamlight
Nosso protagonista escuro e quase sem vida. (Imagem: Reprodução)

Vale a pena comprar Gleamlight?

Apesar de ser um bom jogo, não estou tão certo se vale o investimento. É um jogo gostoso de se jogar, porém, fácil e muito curto e em poucas horas conseguimos chegar ao fim. Por outro lado, isso se reproduz em um outro ponto, e esse muito positivo: o valor. Apesar de ter sido lançado recentemente, Gleamlight está sendo vendido por apenas R$ 36,99 na PlayStation Store, Xbox Live e Steam e US$19,99 na Nintendo eShop.

Se você procura um jogo rápido, na faixa e sem muitos rodeios e histórias para se aprofundar, Gleamlight é o jogo para você. Agora, se busca horas de jogatina intermináveis e história rica e profunda, não se preocupe pois existem diversos jogos ao mesmo estilo com tudo isso que você procura.

*Review elaborada em um PlayStation 4 padrão, com código fornecido pela D3PUBLISHER.

Gleamlight

R$ 36,99
6.3

História

6.0/10

Jogabilidade

7.0/10

Gráficos e Sons

7.0/10

Extras

5.0/10

Prós

  • O preço bastante convidativo
  • Legenda do menu em PT-BR

Contras

  • Jogo muito curto
  • Comandos falhos em algumas ocasiões

Filipe "Bdama" Villela

    Aficionado por jogos desde cedo, de Bomberman, Zelda, Sonic ou Mário, indo dos clássicos das gerações passadas, até os indies e mais variados AAA atuais. Viciado em desafios, colecionador de platinas e consoles antigos, para mim não importa a plataforma ou gráficos de um jogo, sou movido pela emoção da aventura de conhecer e desbravar novos mundos, uma viagem única que apenas cartuchos e cd's podem nos levar. Embarque comigo nesse mundo de possibilidades infinitas e venha descobrir novos mundos e maneiras de se aventurar!