Diablo II: Resurrected | Preview

Diablo II é um clássico atemporal. O game foi lançado originalmente no ano 2000 e conseguiu conquistar uma legião de fãs, pois o titulo apresentava uma história profunda, jogabilidade e sistemas de RPG inéditos para e época, além de uma atmosfera sombria e obscura que se tornaria característica marcante na franquia.

Portanto, o anúncio de Diablo II: Resurrected durante a Blizzcon 2021 agradou grande parte dos fãs. A promessa da Blizzard, é a nova versão do game será uma remasterizarão com diversas melhorias visuais de gameplay, entretanto, mantendo os aspectos tão característicos do clássico de 2000. O Pizza Fria teve acesso ao beta do título e chegou a hora de termos uma primeira impressão do que o futuro game aguarda para os jogadores novatos e veteranos quando for lançado no dia 23 de setembro nas plataformas Xbox One, Xbox Series X|SPlayStation 4, PlayStation 5Nintendo Switch e PC, via Battle.net

Uma ressureição impressionante do clássico

Logo que iniciamos Diablo II: Resurrected somos apresentados a uma cinemática belíssima apresentando o Ato 1. Durante este vídeo já fica evidente a evolução gráfica que o game irá apresentar, pois, estamos falando de mais de 20 anos desde o lançamento do clássico. Eu tive certo receio que a desenvolvedora pudesse não conseguir manter a fidelidade em relação a versão de 2000, ainda mais considerando que já tivemos mudanças questionáveis em relançamentos de obras do passado.

Felizmente, posso dizer que este não é o caso aqui. Pois, embora tenhamos sim uma clara evolução, todos os aspectos característicos, como uma narração sombria, um visual obscuro e a riqueza de detalhes, foram surpreendentemente aprimorados. Além disso, temos a novidade do idioma e dublagem do game estarem localizados em Português do Brasil, o que acaba tornando a experiência ainda mais fidedigna.

Diablo II: Resurrected
Diablo II: Resurrected começa apresentando uma cinemática impressionante apresentando o Ato 1 (Imagem: Reprodução)

Em relação a história apresentada, não irei me aprofundar muito, pois temos aqui exatamente a mesma apresentada no versão clássica do game. Assim sendo, durante esse preview, irei focar nos aspectos novos que o título apresenta.

A escolha de classe

Após a cinemática inicial, somos apresentados as classes que podemos escolher. Entre elas, temos Amazona, Assassina, Necromante, Bárbaro, Paladino, Druida e Maga, sendo que está ultima classe citada foi a que escolhi para o meu gameplay.

Cada uma delas apresenta um estilo de jogabilidade diferente e que irá influenciar diretamente nas buils que o jogador poderá construir durante o game.

Diablo II: Resurrected
O game apresenta uma boa variação de classes, sendo que cada personagem possui habilidades únicas (Imagem: Reprodução)

Ato 1

Durante esta versão beta de Diablo II: Resurrected, foi disponibilizado o acesso aos primeiros dois atos inicias do título. Logo que começamos nossa jornada, podemos interagir com alguns personagens em um acampamento, sendo que cada um deles irá contar um pouco de sua história de origem e até mesmo as consequências da chegada das forças malignas de Diablo naquela região.

Além disso, alguns destes personagens irão dar missões para o protagonista. Nossa missão principal neste ato, é investigar as florestas ao redor do acampamento, eliminar forças malignas e irmos coletando nossos primeiros equipamentos para construirmos a build inicial. Ao explorarmos a região, é possível encontrarmos baús que podem conter ouro, item este que usamos para comprar novos equipamentos e até mesmo consertamos armas que acabem quebrando durante a aventura.

Em alguns locais, também podemos encontrar pequenas cavernas. Estes ambientes normalmente estão cheios de inimigos e nosso objetivo é eliminar todos eles, Após cumprirmos esta missão, a caverna é purificada e podemos explora-la em busca de itens valiosos. Durante o meu gameplay consegui encontrar equipamentos inicias poderosos durante esta exploração, o que acabou ajudando no progresso inicial.

Combate e progressão de personagem

Diablo II: Resurrected apresenta um combate com fidelidade ao clássico. Entretanto, a novidade aqui é que agora os comandos foram adaptados para a jogabilidade no controle. No geral, o sistema funciona muito bem, sendo que é bem similar a Diablo III, o ultimo título da franquia lançado. Além disso, toda a brutalidade e opções variadas durante os momentos de confronto se mantém aqui.

Portanto, como minha escolha de classe foi a Maga, meu combate normalmente era a distancia. Minha estratégia era ficar usando ataques de fogo a distancia nos inimigos, forma de combate está que se mostrou altamente eficaz na maior parte do tempo.

Em relação a progressão, não existia um limite de level na beta. Assim sendo, é possível deixar o personagem bem forte e com diversas habilidades, isto se o jogador fizer uma boa exploração e eliminar diversos inimigos fazendo o famoso “Griding”.

Diablo II: Resurrected
Durante o beta já era possível desbloquear diferentes habilidades para o personagem, sendo que temos diversas variações de ataques e skills passivas (Imagem: Reprodução)

Um visual renovado que mantém a essência do clássico

Diablo II: Resurrected apresenta um visual belíssimo e atualizado. Entretanto, não temos aqui as famosas “reimaginações” que em uma tentativa de inovar os aspectos do clássico acaba tomando rumos exagerados e sem sentido.

A versão remasterizada de Diablo II apresenta um visual idêntico ao original, porém renovado. Temos aqui personagens remodelados, ambientes com textura em alta definição e efeitos visuais repaginados. Este ultimo aspecto foi o que mais me encheu os olhos durante o gameplay, principalmente o fogo, sendo que minha personagem era uma maga, ver os ataques atingindo os inimigos era algo realmente impressionante.

Diablo II: Resurrected
O título apresenta um visual remasterizado mas que mantém a essência do clássico (Imagem: Reprodução)

Além disso, os locais que visitamos durante este pequeno trecho da jornada conseguiram apresentar a atmosfera sombria clássica da franquia. Portanto, as cavernas conseguem deixar o jogador em alerta, pois é preciso atenção ao enfrentar os perigos desconhecidos do local, e ao mesmo tempo, em lugares abertos, a curiosidade que atinge o player, ao ver uma casa abandonada, no geral, estes são sentimentos que eu sentia a todo momento quando tive a experiência com o clássico e é notável que Diablo II: Resurrected consegue manter este aspecto tão característico.

Efeitos sonoros e trilha sonora que fazem toda a diferença

Uma das novidades que está nova versão apresenta são os efeitos sonoros e a trilha sonora remasterizados totalmente do zero. Portanto, durante a jornada fica evidente o quão bem trabalhado foi este aspecto no game. A trilha clássica se mostra presente aqui, tornando a experiência imersiva e interessante, com destaque para a exploração, sendo que em certos momentos eu ficava explorando o mapa apenas para ficar escutando a trilha do jogo.

O que esperar de Diablo II: Resurrected?

A beta de Diablo II: Resurrected apresentou todos os aspectos que os fãs do clássico esperam. Uma vasta opção de builds, uma narrativa interessante e a atmosfera sombria característica do título atemporal. Embora só tivesse acesso aos dois primeiros atos do game, fica evidente que os desenvolvedores tiveram atenção em não fazer escolhas que comprometessem a experiência original. Além disso, temos aqui uma verdadeira renovação do game lançado originalmente em 2000, sendo que os visuais repaginados, trilha sonora refeita e a ambientação sombria presente, tornam Diablo II: Resurrected uma verdadeira ressureição do clássico da Blizzard.

Diablo II: Resurrected chega no dia 23 de setembro para 23 de setembro para Xbox One, Xbox Series X|SPlayStation 4, PlayStation 5Nintendo Switch e PC, via Battle.net

*Preview elaborada em um Xbox Series S, com código fornecido pela Blizzard.

Leandro Paiva

Um estudante de jornalismo e o primeiro estagiário do site. Degustador nato de coxinha e pizza fria com ketchup. Amante de RPG, principalmente aqueles em que é possível pescar em vez de fazer a missão principal. Piadista em tempo integral e um grande degustador de café. Defensor de Birds of Prey e da DC em geral nas horas vagas.