Destiny 2: A Forma Final | Review

Destiny 2: A Forma Final é a última expansão do grandioso jogo de tiro e ação em primeira pessoa, com foco no multiplayer online, ou MMOFPS, lançado em 2017 pela desenvolvedora norte-americana, Bungie, responsável por criar a franquia de jogos de tiro de maior sucesso nos consoles da Microsoft, Halo.

Embarque em uma jornada perigosa rumo ao coração do Viajante, mobilize a Vanguarda e acabe com a Guerra de Luz e Trevas. Vá ao auxílio de seus aliados e persiga a Testemunha pelos confins do coração do Viajante, desbloqueie novas recompensas e poderes para conseguir impedir, a Forma Final. 

Una-se aos maiores defensores da humanidade, demonstrando coragem suficiente para enfrentar o impossível com ousadia o bastante para testar sua habilidade diante da aniquilação. Quer saber como ficou a experiência no console mais poderoso da Sony? Pois vem comigo, pega aquele coado quentinho na cozinha, aproveita a quatro queijos de sábado, e bora comigo guardião, nessa análise lendária do Pizza Fria!

A forma final

Após a campanha curtinha de Destiny 2: A Queda da Luz, A Forma Final se aproxima, trazendo uma calcificação aterrorizante da realidade na concepção distorcida da Testemunha. Nosso novo destino é nada mais, nada menos, que o próprio Coração Pálido do Viajante, um lugar misterioso que começa como um paraíso iluminado, mas que vai lentamente se transformando em uma terra inquietante de escuridão.

O ano de A Forma Final será dividido em três episódios, Ecos, Retorno e Heresia, esses episódios por sua vez, substituirão as famosas temporadas, e serão o novo formato para atualização da narrativa e do conteúdo do jogo. Esses episódios, que serão lançados a cada seis semanas, conterão novas histórias, jornadas, atividades, armas, mods de artefato, ranques de passe e recompensas.

Destiny 2: A Forma Final
O Coração Pálido do Viajante, um lugar misterioso que começa como um paraíso iluminado, mas que vai lentamente se transformando em uma terra inquietante de escuridão. (Imagem: Reprodução)

Embarque em uma jornada perigosa para confrontar a Testemunha que corrompeu o viajante e pretende concretizar sua Forma Final, reúna a Vanguarda e finalmente dê um fim a guerra da Luz com as Trevas.

A conclusão de uma épica jornada

O enredo de A Forma Final começa a se desenvolver com maestria, e nessa fase final da história de Destiny 2, que se “arrasta” por uma longa década, adentramos finalmente o Coração Pálido do Viajante, revisitamos lugares conhecidos, enquanto viajamos pelo desconhecido, e reencontramos um velho amigo, Cayde-6, o Hunter aliado da Vanguarda, há tempos, morto em combate por Uldren, hoje conhecido como Corvo. 

O caçador, agora impedido de manipular a luz, entrega como de costume, a parte cômica da história, trazendo piadas ácidas, carregadas de ironia, em meio a essa parte mais sombria da jornada, dando um toque de humor às missões do guardião, enquanto, um labirinto de perturbações, confunde a mente de guardiões e jogadores. Vemos aqui um Zavala totalmente assombrado pelo passado, Ikora Rey preocupada com seu amigo, e a Testemunha o tempo todo morando na mente de todos, inclusive na do jogador, que por diversas vezes, deverá se questionar sobre a veracidade dos eventos.

Destiny 2: A Forma Final
Passamos pela torre do primeiro jogo, dentro do Viajante, onde avistamos pela primeira vez, o semblante da Testemunha. (Imagem: Reprodução)

Tendo dito, se quiserem um conselho, antes mesmo de começar a história de A Forma Final, de uma passadinha na linha do tempo, vá até o destino de Cayde e investigue o passado com Ikora, para reviver os momentos finais do Hunter, da vanguarda de caçadores, na Prisão dos Anciões, sem dúvidas vai valer a pena.

Nova classe e sistema de progressão

A Bungie sempre se preocupou em trazer novidades, seja para manter o interesse dos jogadores, ou trazer novos interessados ao MMOFPS, e A Forma Final soube explorar tanto na questão da narrativa, agora divida em três capítulos, quanto em jogabilidade e personalização, trazendo além de uma nova subclasse, a Prismática, novos supers, movimentos, itens de classe, as capas dos Titãs, marcas do Caçador e votos dos Arcanos, exóticos, e até mesmo, um novo sistema de progressão.

Os guardiões pela primeira vez, podem empunhar Luz e Trevas juntas, usando a subclasse Prismática, pois ela combina os elementos de arco, solar, vácuo, estase e filamento. Essa nova subclasse, permite aos guardiões usarem a Transcendência, aprimorando suas habilidades, dano e regeneração, e, além disso, cada classe possui uma granada única que combina efeitos elementais, adicionando maior profundidade na customização da subclasse.

Destiny 2: A Forma Final
A nova subclasse de Destiny 2, aumenta a sensação de liberdade para personalização de seus guardiões. (Imagem: Reprodução)

Na prática, funciona da seguinte maneira: as habilidades da subclasse prismática vão sendo desbloqueadas no decorrer da campanha de Destiny 2: A Forma Final. À medida que finalizamos missões, derrotamos inimigos, ou abrimos baús, novas habilidades de todas as classes de seus personagens, a exemplo do Titã, granadas de pulso, aprisionadora, golpe de martelo, arremesso de escudo, dentre muitos outros, estarão disponíveis para você personalizar a subclasse prismática, e tudo isso é MUITO bacana, pois no fim, cada jogador terá praticamente um guardião único, devido à abundância de novos aspectos, habilidades e fragmentos a serem usados.

Houve também uma grande mudança no sistema de progressão com relação às atividades do game, ao invés das repetitivas, e muitas vezes monótonas, missões diárias, foi implementado um sistema de Desbravamentos, instrumento astronômico que guia Guardiões até os tesouros do cosmos e lhes permite definir suas próprias trajetórias.

Destiny 2: A Forma Final
Cumpra os requisitos e libere recompensas, o sistema de Desbravamento deixou o game ainda mais dinâmico. (Imagem: Reprodução)

Esse novo sistema, consiste em uma série de objetivos que ficam interligados, e isso acaba com aquele sentimento de obrigação, que tínhamos de solicitar contratos com Zavala ou Lord Shaxx, dando muito mais liberdade ao jogador, instigando os guardiões a explorarem diferentes modos de jogo, sendo recompensados com engramas, progressão no ranking e XP do passe de temporada.

Vale a pena jogar Destiny 2: A Forma Final?

Sem dúvidas alguma, Destiny 2: A Forma Final vale a pena, e isso independente se você for um jogador veterano, um novo jogador, ou se estiver retornando, após um longo período em uma câmara de criometria, pois em A Forma Final, todos seus personagens, tanto os recém-criados, veteranos, ou congelados, já estarão com 1900 de Luz, nivelando a experiência dos jogadores e dando acesso ao básico para iniciarmos a campanha no Coração Pálido do Viajante.

Como comentado, A Forma Final, traz um fim à saga da Testemunha, o que certamente, está longe de ser o final de Destiny 2, e a Bungie deixa isso bem claro, anunciando ainda para 2024 dois novos episódios do MMOFPS, além do Ecos, já lançado, trazendo diversas melhorias ao jogo, como finalmente uma personalização real dos guardiões, novas raids, equipamentos exóticos e nova forma de progressão.

Destiny 2: A Forma Final é sem dúvidas uma excelente pedida, com muito conteúdo já lançado e conteúdo ainda por vir, e caso você ainda não tenha nem o jogo base, fique à vontade para baixar e testar, afinal, ele é gratuito. Quanto à mais nova expansão, ela está sendo vendida para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X|S e PC, via Steam, com versões a partir de R$189,99.

*Review elaborada em um PlayStation 5, com código fornecido pela Bungie.

Destiny 2: A Forma Final

+ R$ 189,99
9.5

História

10.0/10

Gameplay

9.0/10

Audiovisual

9.0/10

Extras

10.0/10

Prós

  • A subclasse prismática trouxe uma gama enorme de personalização.
  • O novo sistema de Desbravamentos deixou o game mais dinâmico.
  • A nova campana é épica e empolgante.

Contras

  • O game tem tanto conteúdo, que pode parecer confuso para novos jogadores.

Filipe "Bdama" Villela

Aficionado por jogos desde cedo, de Bomberman, Zelda, Sonic ou Mário, indo dos clássicos das gerações passadas, até os indies e mais variados AAA atuais. Viciado em desafios, colecionador de platinas e consoles antigos, para mim não importa a plataforma ou gráficos de um jogo, sou movido pela emoção da aventura de conhecer e desbravar novos mundos, uma viagem única que apenas cartuchos e cd's podem nos levar. Embarque comigo nesse mundo de possibilidades infinitas e venha descobrir novos mundos e maneiras de se aventurar!